quinta-feira, 4 de junho de 2009

Sabe quando você fica submerso na água, prendendo a respiração o máximo que consegue, até parecer que a sua cabeça e o seu peito vão explodir? E quando dá essa sensação você pensa: "só mais um pouquinho, dá pra aguentar mais um pouquinho". Então, no começo foi assim. Não por vontade, mas por força de vontade. E meu silêncio não foi direcionado apenas a você. Tive que ficar quieta para não me tornar repetitiva e chata e não parecer uma choromingona, porque só uma palavra queria sair da minha boca. E era seu nome. Mas agora passou. Não que meus pensamentos não sejam mais seus desde antes dos meus olhos se abrirem até momentos depois deles se fecharem. Mas estou aprendendo a conviver com isso. É que, como eu li no livro da Clarah essa semana, "te amo tanto que não te quero mais". E eu, que adoro estar apaixonada, me sinto anestesiada. Isso mesmo, não estou sofrendo. Essa fase já passou. Posso estar um pouquinho mais triste, mas isso é porque sinto que meu coração recebeu mais uma camada de bandagens. Acho que é assim que o coração das pessoas vai ficando pesado, pesado, pesado, e com o tempo perde a força pra disparar só por ouvir a voz de alguém falando o nome delas. Eu sei que pode acontecer de novo e muitas outras vezes. E isso é bom! É bom, porque depois de um tempo só as coisas boas permanecem. Pelo menos comigo é assim. O tempo tem a vantagem de amenizar o que foi ruim e tornar ainda mais bonitas as coisas boas. Uma hora passa... Pode demorar, mas passa.  

3 comentários:

Priscila Nicolielo disse...

vc quer q passe?

Cacalo disse...

Já passou...vai ver!!!


beijo!!!

Albérico disse...

A PAIXÃO , sempre VEM acompanhada de identificação projetiva. Depois que cessa isso e nossa identidade é DEVOLVIDA para nós mesmos, voltamos ao nosso EU , sem rodeios ... e isso , às vezes É BOM ! Desfrute deste novo momento . BEIJOS !