quarta-feira, 8 de julho de 2009

Ainda sobre o mesmo assunto

Segundo o Gregòire Bouillier, autor do “O Convidado Surpresa”, todo mundo tem o direito primordial de amar alguém e de deixar de amar. Mas e quanto ao direito que quem é abandonado tem de sofrer? Essa pessoa precisa aceitar a decisão do outro passivamente ou pode insistir em continuar, e lutar, e tentar reaver o amor perdido? E, caso compreenda a posição do parceiro, deve sofrer em silêncio ou pode proclamar seu estado aos quatro ventos?
Sophie transformou em arte e tornou público o e-mail que recebeu declarando o fim de seu relacionamento. Gregòire pediu (em público, na Flip) que ela se desculpasse. Mas se essa foi a forma que ela encontrou para dar escape ao sofrimento causado por ele, porque deveria pedir perdão? A obra foi encarada como uma vingança, mas pode ter sido o único meio encontrado por ela para aliviar a dor da perda.
O próprio Gregòire diz em seu livro que um escritor escreve para levar os fatos à luz, para tentar compreendê-los (ou algo do tipo). Se dar o e-mail para uma maritaca engolir foi o jeito que Sophie encontrou para iluminar e assimilar o que aconteceu, porque recriminá-la?
A gente não escolhe quem ama e não escolhe quando deixar de amar. Mas também não escolhe sofrer e quando deixar o sofrimento de lado.

Um comentário:

Fernanda disse...

li este livro tb, otima dica, vivi!
alias, nao achei o post q falou...fiquei curiosa rsrs
bjos
FeZabo