segunda-feira, 21 de julho de 2008

Cartas a um jovem poeta

"Mas tudo o que talvez um dia ainda seja possível para muitos o solitário pode, já agora, preparar e e construir com suas mãos, que erram menos. Por isso, caro senhor, ame sua solidão e suporte a dor que ela lhe causa com belos lamentos. Pois os que são próximos ao senhor estão distantes,  é o que diz, e isso mostra que o espaço começa a se ampliar à sua volta. Se o próximo está longe, então o que é distante vaga entre as estrelas, na imensidão. Alegre-se com seu crescimento, para o qual não pode levar ninguém junto e seja bondoso com aqueles que ficam para trás, seja seguro e tranquilo diante deles, sem perturbá-los com suas dúvidas nem assustá-los com uma confiança ou alegria que eles não poderiam compreender. Procure constituir com eles algum tipo de comunhão simples e fiel, que não precise ser alterada à medida que o senhor mesmo se modifica cada vez mais. Ame neles a vida em uma outra forma e seja indulgente com pessoas mais velhas que temem a solidão na qual o senhor tem confiança."

Rilke

Um comentário:

Velho Santiago disse...

Se ainda não, deveria conhecer toda a obra do Rilke :)