segunda-feira, 27 de outubro de 2008

O amor é foda

Eu não sei se eu acredito em amor. Tenho uma forte tendência a pensar que a gente geralmente precisa ficar com outra pessoa por se sentir inseguro sozinho, ou pra fortalecer nosso ego, pra se auto-afirmar, porque é bom saber que alguém precisa da gente. As relações normalmente são estabelecidas na base da dependência - eu preciso de você e você precisa de mim, sem isso somos incompletos.
Não sei se isso é saudável. É ótimo ter companhia e carinho, mas também é bom poder se sentir bem sozinho, não precisar do outro para ser feliz.
Acho que por causa desse negócio de auto-afirmação é que as pessoas sempre são atraídas pelo que é mais difícil. Como se pensassem: se eu não conquistar isso, não sou nada. E quando não dá certo ficam mal, sentindo que têm algum problema.
Há pouco tempo uma amiga minha foi em uma festa e ficou com um cara, depois tivemos mais ou menos essa conversa:


amiga: Ele é lindo, super gostoso, mas é um galinha e um cabeça oca. Foi só pra dar uns beijos mesmo.
eu: Ah, legal. Cara burro não dá mesmo.
5 minutos depois
amiga: Ai, Vi, entrei no orkut dele e vi que ele tem namorada! Cachorro! Filho da puta.
eu: Ah, mas você disse que não queria nada com ele mesmo, deixa pra lá.
amiga: Mas é que eu tava lembrando, foi tão gostoso ontem, acho que tô apaixonada por ele.

Não sei se isso é um tipo de masoquismo. Ou uma forma de defesa de alguém mal resolvido que tem medo de manter um relacionamento. Ou auto-afirmação mesmo - Qual é o problema comigo? Porque ele prefere a namorada e não eu?

Só sei que eu estou percebendo essa tendência em mim. Por mais que eu saiba que uma coisa não tem a mínima condição de dar certo, insisto. É uma obsessão. O que é mais difícil é mais gostoso, né?

E é difícil parar de pensar nele, lembrar do jeito que ele olha de soslaio, de como parece sempre estar sério, ou triste, ou mau-humorado. Talvez seja apenas um desafio... Mas tá difícil...

Enquanto isso, ouço:
Sai fora que encheu o saco, acha um panaca pra te dar um trato. Vai procurar tua tribo, nesse quarto tu corre perigo. (...) Não me beije mais, nem tente... eu te amo, sai da minha frente. (Tempo Instável - Maestro Amalfi e Mário Bortolotto / Tempo Instável)

2 comentários:

Priscila Nicolielo disse...

o difícil tem um gosto, bom.
mas o demorado cansa! não?
rs

Pollyana Barbarella disse...

Devagar e sempre...
Beijos